Olivo Villaggio tem quatro novas receitas de Gnocchi della Fortuna

O Olivo Villagio, inaugurado nesse ano de 2022, na Barra da Tijuca ( RJ), é uma casa de culinária italiana com um toque contemporâneo. Num amplo e charmoso espaço no Village Mall, conta com as receitas tradicionais da chef Julia Raposo e o atendimento do gerente Pierluigi Pugliese para levar à mesa dos comensais uma ótima experiência gastronômica.

Seguindo a tradição italiana, o restaurante Olivo Villaggio apresenta todo dia 29 quatro receitas de gnocchis para trazer sorte e fortuna. Já em dezembro a casa oferece a massa acompanhada de um dólar para colocar sob o prato. Dessa forma, os clientes têm uma experiência como se estivessem na Itália, inspirando que realizem um pedido para cada um dos primeiros sete pedacinhos.

As opções, que custam R$70 cada, são: Gnocchi Clássico Alla Sorrentina, feito ao sugo, mozzarella, pesto e basílico; tem também o delicado e saboroso Gnocchi Clássico com Grana, Tartufo e Noce, com fonduta de Grana, trufa e crocante de nozes; além de Gnocchi Di Zucca, Gamberi e Fonduta di Grana, feito de abóbora com camarões e fonduta de Grana. Para fechar, Gnocchi Verdi, Salsiccia e Broccoli, com ragú de linguiça e creme de brócolis.

Outro destaque no menu do Olivo Villagio são os drinks autorais, as massas tradicionais e pizzas na versão Romana, todas feitas na casa de forma artesanal. A casa apresenta ainda receitas inspiradas no mediterrâneo, com peixes, crustáceos, frutos do mar e legumes frescos, além de uma completa carta de vinhos.

Olivo Villagio – Av das Américas 3900, 3 andar. Village Mall. Barra da Tijuca. Rio de Janeiro

Altos de Pinto Bandeira obtém 1ª DO exclusiva de espumantes do Novo Mundo

Pinto Bandeira ( RS)

Reconhecimento publicado hoje ( 29/11/22) na Revista da Propriedade Industrial, as vinícolas Aurora, Don Giovanni, Geisse e Valmarino, passam a exibir nos rótulos de seus espumantes únicos a distinção que eleva e consolida a posição da região e do Brasil no universo da bebida. Foram 10 anos desde que a Associação dos Produtores de Vinho de Pinto Bandeira (Asprovinho) deu o primeiro passo na busca da obtenção da Denominação de Origem (DO) Altos de Pinto Bandeira.

Esta década serviu para consolidar processos já adotados pelos produtores, conscientes de suas condições privilegiadas de terroir – solo, clima e homem -, ideais para a elaboração de espumantes naturais de excelência. Daqui para a frente, toda garrafa de espumante natural que nasce nesta região delimitada e exibe o Selo da DO estará entregando a garantia da procedência e qualidade das uvas, assim como de cada etapa do caminho, do vinhedo à taça.

Para ter direito ao uso do Selo da DO em seus espumantes naturais, as vinícolas Aurora, Don Giovanni, Geisse e Valmarino têm que cumprir regras rigorosas de controle, desde o cultivo das uvas até o engarrafamento. O saber fazer agrícola, vitícola e vinícola deve estar em perfeito equilíbrio durante todo o processo. Tudo começa com as variedades autorizadas – Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico – que, além de serem cultivadas na área geográfica delimitada, também precisam ser conduzidas pelo método espaldeira. A interação clima-solo-videira é o que confere as características particulares necessárias para a elaboração do vinho base que vai originar o espumante natural dos Altos de Pinto Bandeira. O resultado são uvas com maturação moderada e composição equilibrada entre acidez e açúcar, com precursores aromáticos que resultam em qualidades e características de cor, aroma, paladar e estrutura determinadas pelo meio geográfico. Para completar, destaque para a atividade do homem que revela e evidencia, através de sua sensibilidade e conhecimento, a identidade do local.

Mesmo seguindo todo este protocolo, é preciso submeter os produtos a análises laboratoriais e sensoriais, com gestão do Conselho Regulador da DO. Somente depois é que o produto está apto a receber o rótulo com o Selo e seguir para a mesa do consumidor. Os primeiros espumantes com a DO Altos de Pinto Bandeira devem chegar ao mercado a partir do ano que vem.

Para o presidente da Asprovinho, Daniel Geisse, “formalizar o que já estamos desenvolvendo há muitas safras é brindar a persistência de todos os envolvidos, unidos num único propósito. Agora podemos trabalhar na consolidação do posicionamento da marca no cenário nacional e no mundo do vinho. Isso porque a DO dos Altos de Pinto Bandeira é a única DO exclusiva de espumantes do Novo Mundo”, destaca.

A DO dos Altos de Pinto Bandeira abrange 65 km² de área contínua, sendo 76,6% localizada no município de Pinto Bandeira, 19% em Farroupilha e 4,4% em Bento Gonçalves. A altitude média da região é de 632 metros, com terrenos de relevo ondulado até montanhoso. As temperaturas são mais amenas, enquanto a exposição solar é favorecida pela localização na margem esquerda do Vale do Rio das Antas e pela boa circulação horizontal do ar no alto de um dos patamares do Planalto Basáltico da Serra Gaúcha. Este conjunto de características influencia na escolha de técnicas de cultivo e manejo dos vinhedos, interferindo diretamente na qualidade do vinho elaborado.

Conheça as principais regras para o uso da DO Altos de Pinto Bandeira:

1 – Cultivares autorizadas: Chardonnay, Pinot Noir e Riesling Itálico, sendo que os vinhedos devem ser cultivados, exclusivamente, na área geográfica delimitada e estarem declarados no Cadastro Vitícola.

2 – Origem das uvas: As uvas devem ser cultivadas 100% na área geográfica delimitada da DO Altos de Pinto Bandeira.

3 – Sistemas de Condução: espaldeira.

4 – Produtividade: limite máximo por hectare de 12t/ha. A colheita mecânica é proibida para as uvas destinadas à DO, que também devem apresentar mais que 14º graus babo.

5 – Elaboração: Os espumantes com DO somente podem ser elaborados pelo Método Tradicional com tempo superior a 12 meses de guarda. Quanto ao açúcar residual estão autorizadas as classes Nature, Extra-Brut, Brut, Sec e Demi-Sec.

6 – Processos Enológicos: É permitido o uso de barricas de carvalho, tanto na primeira fermentação quanto no vinho base para espumante, sendo que para ter a DO é necessário ter a segunda fermentação na garrafa.

– Os vinhos base para espumante devem ter no máximo cinco anos, contados a partir da data de término da respectiva safra de uva.

– É permitido o uso de diferentes safras de vinhos base para espumante nos cortes, desde que das variedades autorizadas. Nos cortes, o vinho base de Riesling Itálico terá um percentual máximo de 25% sobre o volume do produto final.

– Espumantes Safrados: Os espumantes da DO Altos de Pinto Bandeira podem ser safrados, devendo conter, no mínimo, 85% de vinho base da safra mencionada.

– Rotulagem: O rótulo principal deverá conter a identificação do nome geográfico da DO, seguido da expressão Denominação de Origem. A rotulagem também deverá incluir o Selo de Controle numerado, especificando o número do lote e da respectiva garrafa do lote.

Vinhos para harmonização no verão brasileiro

Vinhos importados pela Casa Flora

Vinhos leves, brancos e roses, podem ser boas pedidas para apreciar à beira da piscina e em almoços no verão brasileiro. A Casa Flora elaborou uma lista de opções em seu portfólio e destaca um novo vinho que passa a distribuir, o Norton Sexy Fish Blanc de Blancs. Esse vinho branco apresenta uma cor amarela pálida e aroma fresco, com aspecto floral e um toque de frutas brancas. Na boca é refrescante e intenso. O vinho vai bem massas leves, queijos e saladas.

Paulo Amalfi, Gerente da Categoria Vinhos da Casa Flora explica “que há um grande crescimento de vinhos brancos e roses no mercado. Hoje já representam mais de 25% das importações.  Além de serem opções leves e refrescantes, ideais ao verão e primavera, são uma boa porta de entrada para quem está querendo se aventurar no mundo do vinho. ”

Outra dica da Casa Flora para a estação mais quente do ano é o Régia Colheita Branco. De cor amarela palha, seu aroma expressa frutas brancas maduras, baunilha e leve toque tostado. No paladar é seco, com corpo médio, boa acidez.

Para harmonizar com comida japonesa a sugestão da distribuidora é o Pata Negra Verdejo, um vinho de seco, com corpo leve, acidez refrescante. Essas características harmonizam muito bem com os peixes crus, e além disso, ele apresenta aromas de frutas cítricas com notas herbáceas frescas, que suavizam o odor forte dessa culinária.

Para os apreciadores de um rosé o 99 Rosas Rosé é uma opção orgânica cheia de sabor. Rosa claro brilhante, com aroma de frutas vermelhas, é um vinho frutado e fresco. Outra dica é o Carolina Reserva Rosé, que também acompanha bem as carnes vermelhas.

O Alfredo Roca Rosé é um vinho elaborado com uva merlot que é fresco e frutado. No paladar tem boa acidez, prevalecem as notas de frutas vermelhas, com final equilibrado.

Casa Flora Importadora – Loja da Casa Flora Rua Santa Rosa, 207–Brás, São Paulo/SP. Telefone:11 2842-5199. E-Commerce: http://www.loja.casaflora.com.br/

Sparkling Festival reúne expositores de vinhos e espumantes no Rio de Janeiro

Nos dias 18 e 19 de novembro o Rio de Janeiro sedia mais uma edição do Sparkling Festival, evento que reúne expositores de vinhos e espumantes. A feira e degustação acontecerá no Clube House – um espaço para eventos com todo conforto e segurança –  localizado dentro do emblemático Jockey Club, na Gávea, zona sul da cidade.

O evento, que também acontece em outras cidades brasileiras, leva a grife  Casa Vitis e Vinho na Vila e tem como foco vinhos espumantes, brancos e rosés.

“Estamos muito felizes com a escolha do local, no coração da Zona Sul e totalmente instagramável com vista do Cristo”, afirma Larissa Fin, criadora e curadora do evento.

Serão cerca de 30 espaços de vinícolas brasileiras e importadoras, com 350 rótulos, além de opções de gastronomia e atrações culturais.

Dentre as vinícolas já confirmadas estão: Don Cândido, Cristofoli, Fin, Salton, Clariot, Invernnia, Cliche , Vinum Rio, Miolo, Adolfo Lona, Audace Vinhos.

O evento é aberto ao público para todas as atrações e expositores de gastronomia. Somente o acesso à área restrita de degustação é cobrado.

Sparkling Festival. Local: Club House – Jockey Club. Horário das sessões – das 10:00 às 21h, nos dias 18 e 19 de novembro. Praça Santos Dumont, 31, Rio de Janeiro.

Nesse link você encontra ingressos com desconto do cupom Viagemelifestyle.

Fashion Wine Rio apresenta edição “Vinhos da Primavera” no Fashion Mall

Nos dias 22 e 23 de outubro acontece o Fashion Wine Rio, no Fashion Mall, em São Conrado, no Rio de Janeiro. Com o tema Vinhos da Primavera, o evento terá degustação e apresentação de rótulos de vinícolas internacionais e nacionais. Os vinhos à venda poderão ser adquiridos a preços diferenciados.

Entre as vinícolas confirmadas estão Luigi Bosca, Cobos, Zucardi, Finca Las Moras, Kaiken, Weinert, Norton e Alfredo Roca (Argentina), Pizzato, Amitié, Don Guerino e Miolo (Brasil), Miguel Torres, Leyda e Casa Silva (Chile), La Vielle Ferme e Paul Mas (França), Lucarelli (Itália), Fundação Eugênio Almeida, Esporão e Crastro (Portugal) e Pizzorno (Uruguai).

Uma das novidades desta edição é que o bar do evento passará a oferecer um menu com pratos de frutos do mar, sob a supervisão da Torres Mar. Após o período de degustação, o visitante poderá permanecer no bar dentro do espaço ou no foyer, onde poderá consumir pratos, como os famosos Arroz de Camarão ou Bacalhau, Vinagretes de Polvo, Ceviche, entre outros.

A entrada ao evento ocorrerá em turnos de duas horas (cada), limitado a um número máximo de 120 participantes. Cada pessoa ganhará uma pulseira de cor específica como forma de manter o controle de acesso e obter uma melhor circulação pelos espaços.

A terceira edição do “Fashion Wine Rio” será realizada no Piso L3 do Fashion Mall, das 14h às 22h (22/10) e das 14h às 20h (23/10). Os ingressos duplos, com direito a dois participantes, custam R$ 170, enquanto os individuais, R$ 100.

Fashion Wine Rio – Dias: 22 e 23 de outubro de 2022 (sábado e domingo). Horário: 22/10 (das 14h às 22h) / 23/10 (das 14h às 20h). Estrada da Gávea, 899, São Conrado, Rio de Janeiro. Venda antecipada com desconto: https://www.sympla.com.br/fashion-wine-rio-edicao-vinhos-da-primavera__1722760. O evento é proibido para menores de 18 anos.

Trattoria D’Orcia inaugura no Rio com culinária italiana e empório de vinhos

Aberta há cerca de dois meses, a Trattoria D’Orcia é um espaço diferenciado, reservado e aconchegante que oferece culinária italiana com uma seleção especial de vinhos na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. A inspiração do nome da casa veio do Vale do rio Orcia, da região da Toscana.

O local é um restaurante ( funciona atualmente só para jantar) e empório. A loja conta com 700 rótulos, de 18 países, tudo cuidado de perto pelo sommelier Mailson Mesquita que apresenta opções para harmonização na casa ou dicas de vinhos para levar ou presentear.

O menu da casa foi desenvolvido pelo chef Kiko Faria junto com os sócios, e tudo foi muito alinhado com a carta de vinhos da casa para oferecer uma boa harmonização. A Trattoria também apresenta uma carta de drinks autorais e clássicos, além de opções não alcoólicas, como sodas e sucos naturais.

Para uma experiência gastronômica completa na casa é possível pedir um menu degustação ou escolher entre as opções a la carte. Uma boa pedida é começar pelo couvert com pães, torradas artesanais e patê de fígado feitos na casa, além da deliciosa manteiga com raspas de limão.

Para entrada, a casa oferece opções que podem ser compartilhados como os carpaccios de carne e de polvo, ou o creme de funghi com ovo pochê. Dentre os pratos principais há opções de massas artesanais muito delicadas com molhos também feitos na casa como a massa de nhoque levemente gratinada com brie , gorgonzola, nozes e pêra e o parpadelli ripieni de leitão com mostarda e molho de laranja. Para quem prefere opções com carne uma opção suculenta é o lombo de cordeiro com ravioli de batata doce, molho demi glace, e azeite trufado. Entre as opções de sobremesa são destaque na casa a torta mousse de chocolate com pipoca caramelizada, o tiramisú e o trio de sorvetes italianos.

O restaurante conta ainda com um segundo andar exclusivo para eventos, degustações dirigidas e cursos.

Trattoria D’Orcia – Av. Érico Veríssimo 901. Barra da Tijuca. Rio de Janeiro.

Restaurante Pobre Juan lança dois novos cortes de carne no cardápio

Pobre Juan no Village Mall, Barra da Tijuca ( RJ)

O restaurante Pobre Juan, que está presente em várias cidades brasileiras, com culinária argentina, é uma das mais conceituadas casas de carnes do País. O restaurante, que abriu sua primeira unidade em 2004, ficou famoso por sua parrilla (grelha argentina) premium, cortes de carnes nobres especialmente selecionados, e pela excelência na carta de vinhos.

Unindo esses dois aspectos que são pilares da casa, a unidade do Rio de Janeiro realizou um jantar harmonizado para convidados na Barra da Tijuca, no Village Mall, para apresentar dois novos cortes especiais de carne no cardápio e opções de vinhos portugueses premium para harmonizar.

As carnes são compradas diretamente do Uruguai, são da marca UMi e todos os cortes são da raça Angus. O restaurante visa com essas novidades aumentar ainda mais sua qualidade em pratos especiais. Para garantir a qualidade dos cortes, a marca monitora cada etapa. Tudo começa com a seleção dos animais, passando pelo acompanhamento de sua alimentação, até os cortes exclusivos e controle total do processo de maturação. Apenas as peças selecionadas chegam às casas no período ideal e já prontas para o preparo nos restaurantes da rede.

Para destacar o sabor e a suculência dos novos cortes foram escolhidos acompanhamentos selecionados e a harmonização com vinhos portugueses da Herdade Coelheiros. Ricardo Martinho, representante da vinícola, recomendou um vinho branco 2021 para acompanhar as entradas e dois tintos para os pratos principais , “sendo o Tapada Coelheiros 2015 uma escolha especial e mais encorpada para harmonizar com o bife Pobre Juan”.

Confira o menu com quatro serviços servido nesse jantar exclusivo do restaurante Pobre Juan no Rio de Janeiro:

1-Entrada: Lascas de parmesão e jamón Pata Negra;Tartare de salmão; Steak tartare; e o Vinho Coelheiros branco 2021.

2- Primeiro prato: Bife de chorizo ( novo corte!) com purê de cenoura aromatizado com Jasmin e farofa de pistache. Com o Vinho Coelheiros Tinto 2019.

3- Segundo prato: Bife Pobre Juan com risoto de cogumelos. Vinho Tapada de Coelheiros 2015.

4- Sobremesa: Torta mousse de chocolate com praline de amêndoas.

Os novos cortes de carnes já estão disponíveis no cardápio e são extremamente macias. Os vinhos harmonizaram muito bem com os pratos e são distribuídos no Brasil pela Mistral.

Restaurante Pobre Juan – Avenida das Américas, 3.900. Village Mall. Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ.

Adega Cartuxa – conheça a experiência premium de tour e degustação

Adega Cartuxa em Évora. Alentejo, Portugal.

Évora, capital do Alentejo, é um destino especial para quem gosta do enoturismo. A cidade é patrimônio mundial da Humanidade e a quinze minutos de seu centro histórico é possível visitar a Fundação Eugênio Almeida e a Adega Cartuxa. Essa é uma das maiores referências em produção de vinho no Alentejo.

Há vários anos o enoturismo também se destaca como um dos pontos fortes da Cartuxa. Uma visita à adega Cartuxa é uma aula de história, viticultura e uma experiência que impressiona até a quem é iniciante no mundo dos vinhos.

A Adega Cartuxa, na Quinta de Valbom, tem sua história ligada à Companhia de Jesus. No ano de 1580 o padre jesuíta Pedro Silva, reitor da Universidade de Évora, adquiriu a Quinta de Valbom para aí alojar o corpo docente da Universidade. A construção da Casa de Repouso dos Jesuítas demorou cerca de 10 anos e resultou num edifício com múltiplos alojamentos, refeitório e capela.

Em 1759, com a expulsão da Companhia de Jesus do país por Marquês de Pombal, a Quinta passou a integrar os bens do Estado e foi em 1776 equipada com um lagar de vinho que rapidamente ganhou importância na região. A proximidade do Mosteiro da Cartuxa determinou que ficasse conhecida, até aos dias de hoje, como Adega Cartuxa.

Em 1869, o bisavô do instituidor da Fundação, José Maria Eugénio de Almeida, adquiriu esta Quinta. Após a sua morte viria a ser o seu filho, Carlos Maria Eugénio de Almeida, para dar continuidade e expansão da produção da Casa Agrícola Eugénio de Almeida. Foi da sua iniciativa a plantação das vinhas que constituíram a origem mais remota dos vinhos da Fundação.

Com o tempo veio o sucesso da produção vitivinícola da Instituição, a Adega da Cartuxa, instalada no antigo refeitório da Casa de Repouso dos jesuítas. Na década de 90 foram feitos vários investimentos em todos os setores da adega, e foi possível aumentar o seu potencial de vinificação e capacidade de armazenagem.

Da linha de engarrafamento totalmente automatizada instalada na Adega Cartuxa saem anualmente cerca de seis milhões de garrafas, distribuídas por vinho branco, rosé e tinto das marcas Vinea Cartuxa, EA, Foral de Évora, Cartuxa, Scala Coeli e Pêra-Manca.

É possível agendar uma visita pelo site para fazer um tour guiado pelas instalações que têm muita história da marca e do cultivo na região. Participamos de um tour premium que incluiu degustação de azeites e vinhos Cartuxa, inclusive do icônico Pêra Manca.

Durante a visita à adega Cartuxa é possível conhecer e aprender sobre seus espumantes branco, branco reserva e rosé ( produção que teve início em 2007); sobre seus azeites premium ( produção iniciada em 2004); e os diversos rótulos da marca, incluindo o vinho Pêra Manca, o mais emblemático da adega ( dependendo do tour escolhido). O vinho Pêra Manca branco é considerado um vinho gastronômico e que vai muito bem com bacalhau, moqueca, marisco e algumas carnes. Já o tinto é vendido apenas um para cada visitante e não é feita a sua degustação.

Adega Cartuxa – Quinta de Valbom, Estrada da Soeira 7005-003. Évora. Portugal. enoturismo.cartuxa@fea.pt
Tel: (+351) 266 748 383

Elegância e expressão de uma assemblage é tema do último evento do ano do Wines of Chile Luxury Tastings

Nove rótulos degustados no evento do Wines of Chile Luxury Tastings

Na última edição desse ano do evento do Wines of Chile Luxury Tastings, com degustação, reunindo experts do mercado e formadores de opinião, podemos apreciar nove rótulos com blends selecionados que impressionaram.

O tema do evento que contou com apresentação ao vivo, a partir do Chile, de enólogos das vinícolas participantes, foi “Elegância e expressão de uma assemblage” e, foi sem dúvida, esse o maior destaque do encontro: degustar vinhos de cortes ousados e alguns clássicos, todos de alta qualidade.

Nessa edição degustamos vinhos tintos premium e super premium da Viña Carmen, Errazuriz, Sutil, Cousiño Macul, Viña Vik, Casa Silva, Viu Manent, Gandolini e Viña Montes.

O evento com profissionais do mercado e formadores de opinião aconteceu no restaurante Giuseppe Grill, no Leblon, zona sul da cidade. Para saber mais sobre os vinhos e lives do Wines do Chile Luxury Tastings siga esse perfil.

Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes apresenta masterclass no Rio de Janeiro

Masterclass apresentada no Hilton Copacabana (RJ)

O vinho verde é produzido na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, em área bem ao norte de Portugal até a fronteira com a Espanha. Existem 9 sub-regiões que oferecem vinhos distintos, com características específicas, como mineralidade, frescor e com aromas frutados.

Mas esses vinhos podem não ser apenas leves, jovens e frescos como muita gente conhece no Brasil. Os vinhos verdes podem ser também sofisticados, ter grande potencial de guarda, e apresentar aromas e sabores complexos. Existem rótulos de vinhos brancos, rosé, tinto e até mesmo espumante dessa região e as uvas de maior produção local são Loureiro e Alvarinho.

Em evento para convidados no Rio de Janeiro, a Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes apresentou uma masterclass, seguida de almoço harmonizado, para esclarecer e apresentar as diversas faces desses vinhos, ainda tão pouco conhecidas do grande público.

O Brasil é o terceiro maior mercado consumidor dos vinhos verdes. Hoje esses vinhos já são exportados para mais de 100 países do mundo.

A aula foi uma verdadeira viagem pela região e foi apresentada pelo sommelier Gustavo Giacchero, também embaixador dos Vinhos Verdes no Brasil, e por Gonçalo Rowett, da Comissão de Viticultura da região. Ao todo foram degustados 8 rótulos.

O almoço servido no hotel Hilton Copacabana foi elaborado pelo chef Pablo Ferreyra e foi harmonizado com mais quatro rótulos de vinhos verdes.

Para conhecer mais sobre a região e sua produção de vinhos verdes , acesse o site.